Em 2013, a Pantone completa seus 50 anos de existência, e não há quem questione que sempre foi e sempre será a ferramenta essencial para o uso das cores. Para comemorar, a marca divulgou um infográfico que resume as cores da moda e do design das últimas cinco décadas. E como cores e estampas estão diretamente relacionadas, e nem todos conhecem as características específicas de cada década e suas cores, resolvi falar sobre isso.

Celebrate Color - Pantone - Mona Carvalho

Para começar, os anos 60. Depois do baby boom dos anos 50, uma geração de jovens estava fadada ao consumismo pós-guerra. Surgem o rock, as mudanças de ideologias, a contracultura, o pacifismo, e assim a forma de vestir começou a ser associada ao comportamento. Em Londres, o surgimento da minissaia quebrou o conceito da alta costura e deu início a cultura do prêt-à-porter (pronto para vestir). Audrey Hepburn, Twiggy e Brigitte Bardot foram ícones da época, cada qual de maneiras diferentes.

Anos 60 - Pantone - Mona Carvalho

Nas ruas surgiram cores vivas, o vinil, os grafismos, os tecidos sintéticos, as meias-calça que davam segurança para usar a minissaia e dançar rock e twist, entre outras coisas. As estampas eram lindas; coloridas, mais geométricas que orgânicas, e davam vida nos modelos mais simples. E no geral, todo o estilo da época girou em torno da tal minissaia, seja nas passarelas dos grandes estilistas (como os modelos do Emilio Pucci, na imagem abaixo) ou na casa das garotas que alfinetavam seus vestidos para encurtá-los.

Emilio Pucci - Estampa - Anos 60 - Mona Carvalho

No fim da década, o foco do mundo jovem foi transferido para São Francisco, nos Estados Unidos. E em julho de 1969 aconteceu o gigantesco Woodstock, o que reforçou a próxima etapa da moda, mas as cores e estampas dessa época ficam para o próximo post.

Todas as informações foram retiradas do conteúdo das aulas de história de indumentária da Sueli Garcia, que parecem fazer parte de um passado muito distante.

Leave a Reply